Fiz a otoplastia e a orelha voltou a abrir; e agora?

Neste post eu vou falar sobre um assunto um pouco delicado, que é a possibilidade do retorno das orelhas à posição de abano depois da otoplastia. Mas antes de entrar de cabeça no tema, quero fazer um pedido: por favor, não se assuste com o que você vai ler daqui para frente.


O texto tem o intuito de tratar o assunto de uma forma aberta e esclarecedora, reconhecendo que, por menores que sejam, existem chances de acontecer uma reversão do resultado da cirurgia. Dito isso, vamos aos fatos!

Por que a orelha pode voltar?

otoplastia-orelha-voltou

Há alguns aspectos que podem comprometer a cirurgia, e um deles é a técnica aplicada na operação. Eu não sou médico e não estou apto a falar dos procedimentos, mas já conversei com pessoas que fizeram a otoplastia sem remover os fragmentos da cartilagem. Segundo os relatos, essa prática pode ser mais propensa a ocasionar uma recidiva ao longo dos meses.

Outro ponto que deve ser levado em conta é a chamada “memória genética”. Eu, por exemplo, tive orelhas de abano por 30 anos. Mesmo após a intervenção cirúrgica, a memória genética prevaleceu e “forçou” o retorno delas à posição em que permaneceram por 3 décadas.

Além disso, o Dr. Alexandre contou que a cartilagem das minhas orelhas é bastante fina. Essa característica foi mais um dos fatores que dificultaram ainda mais a “fixação” delas na nova posição.

E já que comecei a falar da cirurgia, a partir de agora vou contar como foram as transformações das orelhas nos meses que sucederam a otoplastia.

Como foi a minha experiência

Em 2013, a Revista Brasileira de Cirurgia Plástica (RBCP) publicou um artigo do cirurgião plástico Alexander Hornos sobre a correção de orelha de abano através da “técnica combinada”. 40 pacientes se submeteram à cirurgia, sendo que apenas 3 apresentaram algum tipo de recaída.

Quando estive na consulta de avaliação, o Dr. Alexandre falou sobre todos os riscos da operação. Ele mencionou, inclusive, a probabilidade de as orelhas “abrirem” novamente.

Com base nos números e nas informações que pesquisei, eu fiquei sempre muito seguro quanto ao resultado da minha otoplastia, e sequer cogitei a chance de algo dar errado. E os primeiros meses, realmente, me deixaram bastante empolgado. 

Início promissor

Quando você vê suas orelhas nos primeiros dias do pós-operatório, o aspecto delas é totalmente diferente do resultado definitivo. Elas estão bastante inchadas e “coladas” à cabeça.

Aos poucos o inchaço vai diminuindo, porém, como você usa a faixa de otoplastia todos os dias, o visual bem fechado continua sendo o padrão. A foto aqui embaixo foi tirada com 10 dias após a cirurgia.

otoplastia-10-dias

Eu usei a faixa integralmente por 10 dias e depois por mais 30 dias só para dormir. Nesse tempo, eu sempre via minhas orelhas mais fechadas e tinha ficado muito satisfeito com o resultado. Ali entre o primeiro e o segundo mês de pós-operatório, ela estavam naturais e eu me sentia totalmente satisfeito.

Parece que o jogo está virando

No entanto, entre o terceiro e o quarto mês, eu precisei retornar ao consultório para o Dr. Alexandre verificar um ponto que parecia querer rasgar a pele. Foi então que ele já notou uma diferença e disse que as orelhas sofreram uma “depressão”. Isso acontece quando as pontas têm uma leve abertura.

otoplastia-1-5-meses

Nessa montagem aqui em cima, você pode ver a comparação da orelha direita com 1 e 5 meses após a cirurgia. Ela já estava diferente, contudo, eu ainda não me incomodava, pois a abertura ainda não era tão grande. Porém, a partir desse momento passei a ficar em alerta e comecei a observar o comportamento das orelhas de uma forma mais obsessiva.

Abriu ou não abriu?

Uma coisa é certa: no dia-a-dia eu não percebia que as orelhas estavam abrindo novamente. Quando me olhava no espelho, eu observava que elas estavam um pouco diferentes, mas nada tão gritante. E isso me deixava um tanto quanto encabulado. Afinal, abriu ou não abriu?

Na verdade, eu só conseguia perceber uma diferença maior quando tirava alguma foto de uma distância maior. Aí comecei a estranhar – e me preocupar. Para comparar, eu tirava algumas fotos mais próximas, mas elas nunca mostravam a mesma coisa. Ou seja, de perto as orelhas pareciam ok, mas de longe estavam nitidamente mais abertas.

Abriu sim!

Mesmo com um certo receio, foi então que eu resolvi fazer uma comparação com as fotos dos primeiros meses do pós-operatório. E colocando as imagens lado-a-lado, foi impossível não notar a diferença. Era um processo lento, mas minhas orelhas estavam retornando ao formato anterior. 

otoplastia-1-7-meses

Lembro que não fiquei em pânico após a constatação, mas nessa hora não dava para esconder que fiquei bastante desapontado. No entanto, aquela empolgação que citei no começo do texto foi embora e deu lugar a uma inquieta frustração.

Entrar na faca de novo?

Quando percebi o problema, fazia entre 5 e 6 meses que eu tinha operado. O Dr. Alexandre havia falado que era recomendável esperar 1 ano para fazer o retoque. Por esse motivo, eu ainda levei algum tempo para saber se queria entrar na faca de novo.

Por mais que eu não estivesse satisfeito, não foi uma decisão fácil. Eu tinha todas as obrigações do trabalho e não queria passar mais 10 dias de tortura usando a faixa de otoplastia com o gorro por cima. Além disso, também existia um certo receio de  o resultado não ficar tão bom.

Mas como o problema do “ponto rebelde” exigiria uma intervenção, o Dr. Alexandre propôs o retoque. Em novembro de 2015, portanto, 7 meses após a cirurgia, ele avaliou as minhas orelhas e disse que já poderia fazer a segunda otoplastia. Então foi aquela história: já que vai precisar mexer, faz o serviço completo.

Sem perder tempo, marquei a operação para o início de dezembro e deu tudo muito certo durante o retoque da minha otoplastia.

No momento que escrevo esse texto, já se passaram quase 10 meses da “segunda vez” e não há um mero sinal de que elas estejam abrindo. Hoje posso dizer que estou feliz e satisfeito com o resultado, e que repetir a otoplastia foi a melhor decisão que pude tomar. 

retoque-otoplastia-10-meses

Para finalizar, um conselho

Se você está passando por uma situação parecida com a qual eu passei, o meu conselho é: faça a otoplastia novamente. Posso dizer por experiência própria que não vale a pena você passar os dias insatisfeito (a) com o resultado da operação.

Nós criamos uma expectativa muito grande com a cirurgia, e não é nada fácil lidar com o fato dela não ter sido correspondida. Para todos nós, fazer a otoplastia é como realizar um sonho, então por que deixá-lo se transformar em um pesadelo?

Sou jornalista e criei o Blog da Otoplastia em 2015, alguns dias antes de fazer a minha cirurgia. Aqui eu dou várias dicas e conto as experiências que passei com as duas otoplastias (também fiz o retoque). Aproveite os textos e sinta-se à vontade para mandar perguntas! ;)

30 Comentários

  1. Olá Leonardo! Então, fiz a otoplastia a uns 4 anos atrás, e em 3 meses abriu um ponto da orelha esquerda e ela abriu legal, ficando muito assimétrica com a esquerda. Refiz a cirurgia, e passado esses 3/4 anos da 2ª cirurgia a mesma orelha abriu de novo, mas agora só a ponta dela caiu! Esta MUITO estranho, totalmente assimétricas mas estou com medo de refazer pela 3ª!!! Vez. E o pior que treino jiu jitsu e minha orelha esquerda é totalmente estourada. Fico com medo de estourar a direita e ficar super abano. E ai meu, que que eu faço!!!??

    • Fala, Alexandre. Tudo bem, cara?

      Mas a orelha que teve o ponto aberto não foi por causa do jiu jitsu? Quero dizer, ficar forçando ela não acabou comprometendo?

      Cara, eu faria novamente até ficar do jeito que eu gostaria. Eu acharia incômodo ficar com as orelhas muito assimétricas, entende?

      Um abraço e boa sorte!

      • Marquei um retorno agora para o dia 29! Vamos ver o que o doutor vai dizer haha E não sei se foi por causa do jiu brother, ele disse que em 1 ano poderia voltar a treinar normal, e eu esperei esse 1 ano parado e depois voltei mais 1 ano com protetor de orelha. Mas a parada ta me incomodando um monte hahhaha é bem como tu diz, nós que tivemos orelha abano não aceitamos nada perto da perfeição haha qualquer assimetria é osso!

        • Pois é, Alexandre. Incomoda bastante se estiver muito diferente.

          Mas como foi a consulta? Vai fazer a cirurgia novamente?

          Um abraço!

  2. Ainda não fiz a cirurgia, mas estou começando a pesquisar sobre o assunto para tomar coragem, rsrsss. Suas informações estão sendo muito úteis. Sinceramente sabia do risco de não ficar bom, mas não de voltar o problema. Confesso que isso me deu uma desanimada. No caso da segunda cirurgia, você teve que pagar novamente?

    • Oi, Sabrina. Tudo bem?

      Sim, eu precisei pagar. Mas foi um valor muito menor. Na verdade eu só paguei pelo uso da sala de cirurgia.

      Quanto à possibilidade de a orelha voltar a ser de abano, ela existe, mas é bem pequena. Aconteceu comigo, mas outras centenas de pessoas fizeram a otoplastia e não tiveram esse problema. Não desanime por conta disso, pois vale muito a pena fazer a cirurgia. Tenho certeza que a sua vida vai mudar para melhor.

      Um abraço!

      • Oi Leonardo estou apavorada faz 20 dias que eu fiz otoplastia e as orelhas estão se abrindo! Será que é porque estão se acomodando? Estou deprimida não quero fazer retoque pois o meu pós operatório está muito difícil, não durmo e sinto muitas dores.me diga alguma coisa por favor! O meu médico está viajando não tenho como falar com ele. Obrigada

        • Olá, Lisiane. Como você está?

          Olha, é normal que as orelhas tenham o formato alterado depois de alguns dias. É uma mudança sutil, mas elas não ficam exatamente do mesmo jeito que estavam logo após a cirurgia.

          Vou pedir para você se acalmar e observar o comportamento delas semana a semana. E fale com o seu médico assim que possível. Não se desespere.

          Um abraço e boa recuperação!

  3. Olá Leonardo. Como vai? Acompanho o seu blog há um tempo e fiz a minha otoplastia em Março do ano passado. Pois bem, gostaria de compartilhar a minha experiência. Fiz a cirurgia em Março de 2015 com um dos melhores cirurgiões da minha cidade. Porém, em Outubro ou Novembro, elas começaram a abrir novamente. Especialmente a direita. Voltei com o cirurgião e ele me indicou a cirurgia de retoque. Fiz a cirurgia em Fevereiro de 2016. Confesso que após a cirurgia, fiquei mais confiante, achando que dessa vez ia dar certo. Mas por incrível que pareça, elas abriram novamente dois meses depois. Comecei a ficar chateada com a situação. O cirurgião disse que isso não acontecia há muito tempo nos anos de carreira dele e logo a minha que voltou duas vezes. Decidi fazer mais uma vez, pois ele me disse que poderia fazer outro procedimento. Ele disse que minha cartilagem era muito resistente e por isso, estava voltando.
    Na última quarta feira, dia 26 de Outubro, fiz a minha terceira cirurgia. O pós operatório é sempre a parte mais chata. Mas eu não estava me importando muito com isto, já que eu só queria que esse problema fosse resolvido.
    Estou em processo de recuperação. Vamos ver se esse procedimento funcionará. Continue postando mais sobre essa cirurgia, pois sei que muitas pessoas ainda têm duvidas sobre fazer ou não fazer. Eu mesma passei por essa dúvida. Mas quando vimos que elas têm jeito sim, de ficarem como gostaríamos, a coragem e determinação vem com toda a força. Abraços a você e qualquer coisa, postarei novidades por aqui sobre o resultado da minha terceira cirurgia. Até mais 🙂

    • Olá, Deborah. Tudo bem?

      Realmente o seu caso é raro. É a primeira vez que uma pessoa escreve aqui no blog falando sobre fazer três cirurgias. Além da frustração pelo resultado da cirurgia ser revertido, ainda tem todo o processo de pós-operatório que incomoda bastante. O PO do meu retoque foi bem mais chato do que o da primeira vez, e eu decidi que não faria outra operação mesmo se o retoque não ficasse bom.

      Meu cirurgião também falou que a minha cartilagem era um pouco resistente, e isso me deixou mais apreensivo. Por meses fiquei com medo de que elas pudessem abrir novamente, mas hoje se completa um ano do retoque e orelhas continuam firmes.

      Sem dúvidas vou continuar postando no blog e também gostaria de saber mais sobre a sua recuperação. O que você falou sobre a coragem faz muito sentido. Estou torcendo por você e espero de coração que você fique satisfeita e feliz com o novo resultado.

      Abraços e boa recuperação! 😉

  4. Fala, Leonardo.
    Tudo bem?

    Cara, eu vou te dizer que eu tenho passado por momentos complicados. Fiz a cirurgia há 3 meses. E não fiquei satisfeito. Eu olho minhas orelhas TODOS os dias e fico “medindo” a abertura pra sentir se abriram ou não. Desde o começo eu achei que deveriam estar mais coladas, mas o médico considerou a cirurgia ótima e disse que o principal é mantê-las com aspecto natural.

    Minha pergunta/o que quero compartilhar é: o quanto disso é da nossa cabeça? Passei também quase 30 anos com as orelhas que eu não gostava e agora, mesmo estando melhor do que antes, não me sinto plenamente satisfeito. Será que a gente se vê diferente do que realmente somos (um dismorfia corporal, talvez)? Será que existe essa “perfeição”, ainda mais no nosso caso que passamos a vida obcecados com esse “defeito”?

    Enfim, queria saber como você lidou com isso.

    Parabéns pelo blog. Ler você foi uma das coisas que me encorajou a fazer.

    Grande abraço!

    • Fala, André. Tudo bem, cara?

      Me desculpe por não ter respondido antes, mas estava de férias e estou retornando agora.

      Mas voltando ao assunto, as suas perguntas foram excelentes. Eu acredito que grande parte da satisfação com a cirurgia vem de um exercício mental que devemos colocar em prática no dia a dia. Quando fiz a primeira otoplastia, eu ficava a todo momento na frente do espelho comparando a simetria e tentando perceber se elas estavam abrindo. De fato, elas acabaram abrindo mais do que o normal, o que levou a decidir pelo retoque. Depois do retoque, eu fiquei com um certo “trauma” e continuei analisando as orelhas com medo de que elas pudessem abrir novamente.

      Esse medo só foi diminuir quando passei a aceitar que, embora ainda houvesse uma pequena assimetria, o resultado do retoque foi muito bom e deixou as orelhas com um aspecto muito melhor do que na primeira cirurgia. Então, a partir daí, eu passei a exercitar a minha mente para desencanar dessa busca obsessiva pela perfeição. Este exercício começa com coisas simples, como deixar de ficar analisando as orelhas todas as vezes em que você se olha no espelho. Até mesmo em fotos, é bom mudar o foco e desviar a atenção das orelhas. Parece besteira, mas a médio prazo faz uma diferença significativa.

      Eu também já pensei muito sobre essa questão da dismorfia corporal e acho que isso existe, sim. A gente se vê diferente do que somos e ficamos a todo tempo idealizando a orelha no formato que desejamos. Aí pode acontecer uma frustração e a consequente insatisfação com o resultado da cirurgia. Além disso, acho que também nos preocupamos demais com a impressão das outras pessoas. É preciso deixar isso de lado.

      Eu já escrevi aqui no blog que, ao decidir nos submeter à cirurgia, esperamos um resultado perfeito. E essa obsessão pela perfeição é muito prejudicial. Por isso, a minha dica é que você também comece a realizar alguns exercícios para tentar dissolver a sua insatisfação. Além das atividades práticas que mencionei aqui, procure valorizar as diferenças no seu cotidiano. Coisas que antes você ficava constrangido por causa das orelhas, e hoje você se sente totalmente à vontade. Também já falei por aqui que uma das maiores satisfações que tive foi poder usar boné sem sentir vergonha das orelhas. Parece simples, não é? Mas para mim é sensacional.

      Fazendo esses exercícios, ao longo do tempo eu acredito que você vai conseguir perceber que a sua cirurgia foi bem sucedida e que você está muito melhor atualmente. É o que falamos sobre curtir a “vida nova” após a operação.

      Por fim, quero agradecer pelo elogio ao blog. É uma grande satisfação saber que, de alguma forma, pude te incentivar a fazer a sua otoplastia.

      Grande abraço e boa sorte!

    • Fico pensando o quanto disso é da nossa mente. fiz a minha cirurgia com 20 anos. Estou apavorada com a ideia da minha orelha voltar, tudo porque contei pra uma amiga no curso que disse que a orelha da tia dela voltou D: isso já bastou pra que eu ficasse paranóica. Até porque quem teve ou tem orelha de abano sabe como isso é. Ja fazem quase 9 meses que eu fiz a minha cirurgia e ela está com um aspecto bem natural. Ela não está grudada na orelha mas está muito rente ao meu rosto, simétricas e bonitas. O único problema é a neura. Ela não passa e não vai embora, sempre fico em frente ao espelho olhando também pra saber se este tudo bem. Aproveitando também gostaria de tirar uma dúvida, depois de uns meses da cirurgia apareceu um “caroço” uma elevação algo como se fosse duas bolas atras da orelha, agora eu já sinto elas menores, alguém aí passou por isso ou sabe o que é? Pois não voltei mais ao cirurgião.

      • Oi, Lu. Tudo bem?

        Então essa neura demora um tempo pra passar. Vai de pessoa pra pessoa. Eu já citei aqui no blog que só fiquei realmente aliviado depois que se passou 1 ano do meu retoque. Antes disso eu sempre ficava com a pulga atrás da orelha achando que elas iam voltar. Mas se com 9 meses as suas estão intactas, pode ficar tranquila. A chance de ficar como era é bem remota.

        Quanto ao caroço que você citou, pode ser o sinal de um ponto. Eu falo um pouco sobre isso neste post: http://www.cirurgiadeorelha.com/ponto-rebelde-retoque-e-mais-um-pouco-sobre-a-otoplastia/

  5. E aí Leonardo, tudo bem?
    Fiz minha otoplastia dia 15 de dezembro e dois dias depois tirei o “capacete”. Quando tirei minhas orelhas estavam bastante fechadas fiquei bastante empolgado mas depois de treze dias quando eu tiro a faixa elas estão mais abertas, principalmente a parte de baixo (lobo) ea parte de cima, isso é normal ou devo procurar o medico

    • Fala, Clayver. Tudo bem?

      Cara, isso é normal. Nos primeiros dias elas ficam mesmo mais fechadas, e depois têm uma pequena abertura. Agora, se você não estiver satisfeito com o resultado, aí você precisa conversar com o seu médico para considerar o retoque. Ele pode falar que não é necessário, mas a decisão sobre fazer de novo é sua, ok?

      Um abraço e boa sorte!

  6. boa noite dia 17 é a 3x que operei mais não fiquei satisfeita com o resultado percebo que a direita vai abrir não sei mais o que fazer

    • Oi, Shirley. Tudo bem?

      Você fez as 3 vezes com o mesmo cirurgião? Você sabe se ele tentou aplicar técnicas diferentes nas cirurgias. Por favor, conte mais sobre a sua experiência!

  7. Olá, estou pensando em realizar a cirurgia e queria saber se você pode informar qual Projeto você escolheu para fazer sua Otoplastia. E também se você saberia me informar se tem como saber se nossa cartilagem é resistente ou não? O Blog é excelente, está me ajudando muito!

    • Olá, Vivian. Tudo bem?

      Na verdade eu fiz a minha cirurgia com um cirurgião particular. Não foi por nenhum projeto.

      Quanto à cartilagem, somente o médico pode falar após avaliar as suas orelhas, tá?

      Um abraço e muito obrigado pelo elogio ao blog! 😉

  8. Muito legal sua postagem, achei num momento oportuno. Há cerca de 13 anos fiz minha primeira oto. Tinha orelhas de abano, a esquerda principalmente, pois ela nasceu “dobrada” passei a gestãçao toda deitada sobre ela. Me incomodava muito, desde pequena. Quando tinha 15 anos realizei a cirurgia em um hospital público e em pouco mais de 6 meses começou a voltar e ficou como era antes dá cirurgia. Um ano e meio depois decidi voltar lá, com outra equipe e fazer novamente. Melhor coisa que eu fiz, melhorou 100% minha vida.
    Mas agora vivo um dilema. Não que eu não tenha gostado do resultado, em relação ao que era, mas depois de uns dois anos de cirurgia ela voltou a abrir, levemente, só a parte superior. Desde então esse assunto paira sobre minha cabeça. Amigos e familiares dizem ser bobagem, que está ótimo, mas sabe como é né? Não estou totalmente satisfeita, mas ao mesmo tempo, não sei se pela terceira vez passar pela cirurgia vai me garantir o resultado que espero. E passar pelo processo todo…Enfim, por isso até agora não refiz novamente. Mas pelo que vi, vc é totalmente a favor, né?!
    Muito bom encontrar dilemas parecidos. Abraços

    • Oi, Érika!

      Caramba, eu imagino como você está se sentindo. Sempre fica aquele pensamento de que pode melhorar.

      Mesmo tendo que passar novamente por todo o processo cirúrgico e pelo pós, eu sou a favor de fazer novamente, sim. No meu caso, eu não fiquei totalmente satisfeito e resolvi fazer de novo. E posso dizer que foi a melhor decisão que poderia ter tomado. O peso de conviver com as orelhas de abano era grande, mas a oto que não atendeu minhas expectativas deixou outro peso similar. Não estava conseguindo conviver com isso e parti para o retoque.

      Da minha parte, eu sempre dou meu apoio a que está insatisfeito e quer fazer de novo. Espero que você resolva o seu dilema logo. rs

      Um abraço e muito obrigado pelo seu depoimento!

  9. Fala Leonardo, tudo certo?
    Primeiramente, parabéns pelo seu blog, fiquei viciado nele kkkk. Cara, fiz minha tão sonhada otoplastia há 10 dias. Elas continuam coladas mas com o aspecto que gostaria, mas devido ao tanto de gente que tenho visto precisar da recidiva, estou preocupado. Noto que a orelha direita ficou um pouco assimétrica, mas nada anormal e que me preocupe tanto. Gostaria de saber quais as técnicas qur seu médico usou na sua primeira cirurgia e na cirurgia de retoque. Na minha ele associou a retirada de tecido com a raspagem de cartilagem, disse que essa técnica é a mais segura e que dificilmente minhas orelhas iriam voltar…mas não sei né, li alguns artigos que relatam complicações com essa técnica, embora diminua a taxa de cirurgias de retoque…enfim, aguardo sua resposta e mais uma vez, parabéns pelo blog!!

    • Fala, Willian. Tudo bem?

      Cara, as técnicas foram parecidas. O meu cirurgião também enfraqueceu a cartilagem e retirou o tecido. Mesmo assim as orelhas acabaram abrindo novamente. Já no retoque, ele usou uma técnica chamada de “hipercorreção”. Aí sim as orelhas ficaram bem mais firmes. Já faz 1 ano e 7 meses do retoque e elas continuam na mesma posição.

      Embora a técnica seja parecida com a que o meu cirurgião aplicou, não fique preocupado com isso. Cada pessoa tem a formação da cartilagem diferente da outra, então não quer dizer que você vai ter uma recidiva só porque eu tive. Fique tranquilo, blz?

      Um abraço e muito obrigado pelos elogios!

  10. Leonardo, boa tarde! Passei pela Otoplastia em janeiro deste ano e, 4 meses depois, a parte superior das minhas orelhas voltaram à posiçao anterior, ficando bem abertas.

    A minha dúvida é a seguinte: buscando na internet informações sobre a Otoplastia, verifiquei que quando a cirurgia não atende às expectativas,pode ser realizado o tal do estoque (que vc mesmo alega ter feito). Alguns sites dizem que o paciente, no retoque, passa por uma “hipercorreção”. Saberia me dizer se foi esse o procedimento pelo qual vc passou?

    Além disso, pergunto: existe algum procedimento diferente na segunda cirurgia que não é utilizado na primeira, a fim de garantir um resultado maia eficiente?

    Aguardo retorno. Obrigado desde já.

    • Fala, Andretti. Tudo bem?

      Sim, a hipercorreção é o termo técnico para se referir aos procedimentos feitos no retoque. Geralmente o cirurgião aplica uma técnica diferente em relação à 1ª cirurgia, assim ele pode garantir um resultado melhor. Foi assim que aconteceu comigo e deu muito certo.

      Um abraço!

  11. Olá Leonardo!Excelente assunto a ser tratado! Fiz minha otoplastia há um mês e já estou percebendo que ela está voltando a ser como antes (de abano). No início estava super satisfeita, prendia o cabelo, mas agora, não consigo mais prender, já percebo a diferença.
    Gostaria de saber qual foi a técnica utilizada em seu retoque?
    Obrigada!!

    • Oi, Thati. Tudo bem?

      O Dr. Alexandre aplicou uma técnica que os médicos chamam de hipercorreção. E deu muito certo pra mim. Já faz um ano e meio do retoque e elas continuam exatamente na mesma posição.

      Espero que você tenha sucesso no seu retoque também.

      Um abraço e boa sorte!

  12. Olá Leonardo, tenho 17 anos e sempre me senti frustrada por ter as orelhas em abano. Hoje faz 1 mês que realizei a cirurgia, e estou encanando com a assimetria, já que olho muito no espelho. Até o momento estou muito feliz por ter realizado esse sonho, porém fica aquele medo delas abrirem novamente. Obrigada por compartilhar sua experiência com a gente 🙂

    • Oi, Laisa. Tudo bem?

      Olha, no começo é normal a gente ficar comparando as orelhas e se incomodar com a assimetria. O medo de abrir novamente também é constante. Mas posso te garantir que isso passa com o tempo. Quando você achar que suas orelhas não estão como você gostaria que ficassem, pegue uma foto antiga e faça uma comparação do antes e do depois. Você vai se sentir muito melhor. 😉

      Um abraço e boa recuperação pra você!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *